28/12/06

TERMINUS 24: VER SEM MEXER

Dizem que os espanhóis vêem bem é com as mãos. Não quer isto dizer que os espanhóis sejam cegos ou que tenham a sua anatomia focal desviada do sítio; mas sim que são espertos e aproveitam-se da fama para ter o proveito.
Eu não sou espanhol – embora tenha uma costela vinda desse outro lado da Península – por isso não sei o que é isso de ver com as mãos. Assim, limito-me a fingir que hablo un poquito de espanhol. Como podem ver, nem escrever espanhol como deve ser eu sei, quanto mais falar.
E agora, passo ao assunto do dia: a frustração.
Gosto de espanholas. Gosto de italianas, brasileiras, eslovenas, portuguesas, americanas. Pronto. Gosto de gajas. Mas de gajas como deve ser. Daquelas que um gajo encontra num daqueles bares onde se pagam 100€ só para entrar. O café lá nunca é menos de 2€, mas num sítio onde se pagam vinte contos para entrar o que se quer menos é café. Mesmo quando há sono. Umas notas em mão certa e o sono desaparece e outras zonas corpóreas ficam logo pré-dispostas para se animarem.
Quem já frequentou locais como este, sabe o que pode encontrar lá. Desde o simples mas honesto strip-tease, ao dispendioso (mas proveitoso) free-for-all. Pelo meio há algo que, para mim, se qualifica como sinónimo de tortura da mais vil que existe. Falo do lap-dance.
No strip podemos ter uma gaja boa, no free-for-all outra ainda melhor; mas a gaja que apanhamos no lap-dance põe logo as outras duas a um canto.
E o pior é que não podemos fazer nada. Ao mínimo toque vêem logo dois matulões que nos põem dali para fora num instante. Não sem antes nos explicarem à custa de várias nódoas negras e ossos partidos que é para ver sem mexer.
Para quem procura diversão, isto é do pior que pode haver. Além de caro, não se chega a provar nada. No entanto, há alguns para quem este tipo de práticas, mais do que pela sexualidade se caracteriza pelo seu lado profissionalmente engrandecedor.
Refiro-me não às executantes, mas aos clientes. Nomeadamente o Clero. No meu ver, padre é que é padre é casto e não tem pensamentos libidinosos. (Pelo menos, não os deveria ter.) Logo, ter uma gaja toda boa a esfregar-se nele e ele sem reagir é bom sinal. É sinal que é puro.
Ou não.
Talvez não reaja por não apreciar aquele tipo de iguaria, o que não augura bons tempos para os putos da catequese.
Uma última nota sobre a questão da castidade dos padres; muita gente confunde castidade com celibato. Não misturem as coisas. Celibato é não casar, castidade é não molhar o bico (dito em bom português). Os padres fazem voto de castidade, o que implica o celibato.
Infelizmente, pelas regras deles, para se comer tem de se primeiro entrar no restaurante. E isso eles não podem. Podem comer, mas não podem entrar. Podem conduzir, não podem é ter carro. Por outras palavras, eles podem consumar o casamento. Só que não se podem casar. É a paga. Por isso é que alguns fazem biscates por fora.

Sem comentários: