09/08/07

TERMINUS 34: COLECÇÃO DE VERÃO - LIVROS DE BOLSO DN - ARTIGO CONTRA

Só podem é ‘tar a gozar com um gajo! É que só podem! Não bastava andarem a saltar com o ‘Bandeira’ dum lado pró outro, agora ainda tiveram a ideia de lançar uma colecção de livros de bolso todos eles publicados no século passado pela Europa-América. Ainda bem que a porcaria dos livros é de graça. À qualidade que eles têm, também era abusar.
O primeiro defeito a apontar é a escolha das obras. Quem é o português típico de praia que vai ler Dante, Balzac ou Dostoievski? Atenção! Não é dizer que todo o português é burro ou que só lê Margarida Rebelo Pinto, Rita Ferro, Dan Brown, Nicholas Sparks, Rodrigues dos Santos ou o que estiver no top do Modelo / Continente.
Eu sei que há portugueses que lêem estes autores. Para dizer a verdade, eu próprio leria. E se aqui escrevo no condicional é precisamente porque a merda da letra é tão pequena que um gajo tem de pensar bem se vale realmente a pena o esforço.
Essa da letra é outra. As edições da Europa-América já de si tinham a letra pequena, mas estes exageraram na dose. Os livros até podem ter sido bem escolhidos, mas só para quem apanhou a lupa distribuída gratuitamente com o primeiro livro. Quem não apanhou, azar. Por outro lado, usar uma lupa para ler aqueles livros à luz do sol, apesar de necessário, pode ter consequências ardentes.
O que me leva ao próximo defeito a apontar: a estação do ano. Numa altura em que as gajas mais andam sem roupa, em que o calor incita à procriação (que este país tanto precisa), o que é que o DN faz? Espeta-nos com livros do arco da velha que qualquer Biblioteca Municipal tem (em edições com letra que se lê) e diz: leiam, eduquem-se. Mais valia terem poupado as arvorezinhas e pegarem num tronco bem grosso e enfiarem-no no recto da senhora dona Europa. Andamos há tanto tempo vergados que nem iríamos notar.
Ainda bem que só voltam para o ano.
(E acabei por não falar do papel. E ainda bem porque aquela porcaria é tão rija que nem para limpar o cu serve.)

3 comentários:

lurdes disse...

tens toda a razao, as obras ate que sao boas, mas para mim que sou miope (mesmo que não fosse) era um bocado complicado ler aquilo, por muito boa vontade que houvesse.
Gostei da forma como o dizeste, eu nao conseguiria dizê-lo melhor, nem com tão bom humor (ou ironia).

Sofia disse...

Joel, conhecemo-nos há pouco tempo, mas até nos estavamos a dar bem... E agora leio este post! Tens razão! Eu sei... a qualidade do papel é merdosa, a letra é quase microscópica, é verdade! Mas dizer que mais valia não terem saído com o dn é que não! Havia títulos melhores, outros piores, mas ainda consegui ler alguns. Na praia! E se eu não sou uma portuguesa típica, então o que serei? lol
Quanto a todas as bibliotecas terem os ditos cujos livros, tenho algumas dúvidas... Já foste à biblioteca do Entroncamento? Tchi... é tão pobrezinha, pá! E comprar uma edição decente, como bem sabes, não fica propriamente barato... No entanto, certamente poderia ter ido buscar alguns deles à biblioteca, mas aí há outro inconveniente: os prazos de entrega. Ora, se uma pessoa está de férias tem que ler aquilo tudo de enfiada?! e 15 dias! então e quem vai de férias mais tempo?!
Tem paciência, mas nem todos trabalhamos em bibliotecas!

acaixinhadosmeusbotoes.blogspot.com

Anónimo disse...

sim, mas também ha que ter atenção ao facto de serem exactamente como o DN/JN diz "classicos da literaruta" gratuitos ! ou vá, 85 cent, que é quanto custa o jornal ! nem todos podemos nos dar ao luxo de ir a uma livraria e dar 5€ por um livro com letras maiores, quando podemos ar 85 centimos ! por este preço, não dá muito para ripostar a qualidade do papel, quando o que realmente importa, é o que está lá escrito!