10/04/08

(QUASE) TERMINUS 60: CITAÇÃO DE BLOG


Não tenho por hábito citar totalidades de ideias de terceiros, só parcialidades. Isto por norma. Como este caso foge à norma, sinto-me no dever de o fazer. Até porque é uma informação importante e urge levá-la ao maior número de pessoas possível.
No BLOG DAS COISAS QUE VÃO MUITAS VEZES DAR AO SEXO li o seguinte artigo:

Segunda-feira, 26 de Novembro de 2007

Hi5 e as Pessoas-Local

Quase todos os dias faço uma visita ao meu lugarzito no Hi5, gosto de ver as adições de fotografias e amigos, visitas ao meu perfil, mensagens, e essas tretas todas que vão animando aquela imensa base de dados das 'gentes' de todo o mundo. O Hi5 é ainda um bom modo de conhecer o que as pessoas tomam como bom ou mau, já que é lá que expõem o que acham que devem expor, que decidem o que é bom dar a conhecer ou não e consequentemente o que é favorável ou não para este pedaço da sua identidade, que não está presente bem numa base de dados, como aquelas chatas que devem existir no estado ou aquela do programa de facturação. Nada disso, o hi5 é encarado como um universo digital de relações e posição social, qual base de dados qual quê!
Bom, mas independentemente do que acho que os outros acham do Hi5, não consigo perceber esta proliferação recente, já que tenho tomado consciência dela nos últimos dias, daqueles seres que fazem questão que não se possa ver as informações que introduziu na base de dados. Mas afinal de contas por que razão é que quiseram fazer parte dela? Ora se eu não conhecer o cão, gato ou pintura e personagens favoritos de alguém que já não vejo há uns anos - isto porque é raro olhar para a foto que aparece na nossa indexação à base de dados e reconhecer alguém - como é que sei que X ou Y são a pessoa que procuro? Não percebo também porque numa sistema como o hi5 que tem como fundamento a partilha e ligação de amigos e conhecidos a outros amigos e outros conhecidos, existe a necessidade de bloquear outras pessoas de verem o nosso perfil e consequentemente de encontrar pessoas que poderiamos conhecer ou querer conhecer e assim consecutivamente.
Acho que essas coisas que vão abundando por lá, devem querer expressar uma atitude semelhante aos locais de entrada reservada, que têm uma placa enorme a dizer 'proibida a entrada' ou algo de género, que de facto pode ser qualquer coisa desde que siga o "conceito" de numa forma ou outra querer fazer questão de dizer que é importante, de forçar a ideia que se é mais que qualquer outra coisa.
Acho até que essas entidades que habitam o Hi5, querem ser outra coisa além de pessoas. Já são uma espécie de pessoa-local. Querem ser aquele bar e restaurante que tanto admiram. Querem ser o local que alberga e protege, com o seu acesso reservado, outras pessoas. Ou a casa onde a família retrograda que fecha/prende a filha para que não tenha contacto com nenhum homem (só a levam a passear no seu veículo de luxo, nos 'premium'!). E ainda o local que quer de facto demonstrar que é selecto, ele quer ser selecto onde não faz sentido ser. É o local da piada-retrocesso, aquele tipo de humor que descreve a rapariga 'pouco-virgem' no confessionário, ou o canalizador bruto e másculo no convento. É o argumento num filme pornográfico. E como este, é despropositado, dispar e desnecessário.
Para essas pessoas-locais cujo egoísmo tenta fechar as portas de forma a que não tenha acesso a outras pessoas que podem ser importantes para mim (e que de outra forma não encontro), quando queremos estar isoladamente com os nossos amigos num ambiente só nosso, não andamos para aí a cantar isso para toda a gente, porque é daquele tipo de informação inútil para os 'não participantes'. Se não gostam de partilhar informações e amigos/conhecidos, nem usar isso para encontrar pessoas que já não falam ha muito tempo, o hi5, caso ainda não tenham reparado, não é bem o sitio para vocês. O ICQ, MSN ou qualquer outra rede de género é mais adequado e pelo menos, fazem o favor a toda a gente de não empatar ninguém.
É tão estranho falar sobre isto como seria tentar perceber ou explicar o argumento de um filme pornográfico. Ou não, mas aí já estaríamos na Twilight Zone.
Publicada por Sr. Cosmos em 4:22

Isto é uma mensagem que vale a pena espalhar por mail. Não é aqueles powerpoints dos cãezinhos e dos coraçõezinhos e essas merdinhas fofas. Abram os olhos.

08/04/08

TERMINUS 57: DOIS TÍTULOS, UMA SÉRIE

Título original: THE KING OF QUEENS
Título(s) em Portugal

1 (TVI): O REI DO BAIRRO
2 (SIC COMÉDIA/SIC MULHER): ELE, ELA E O PAI

Título original: CROSSING JORDAN
Título(s) em Portugal
1 (FOX LIFE): A PATOLOGISTA
2 (RTP1): A ENCRUZILHADA

Título original: GHOST WHISPERER
Título(s) em Portugal
1 (SIC): ENTRE VIDAS
2 (FOX LIFE): EM CONTACTO

Título original: TWO AND A HALF MEN
Título(s) em Portugal
1 (RTP) DOIS HOMENS E MEIO
2 (SIC) CONTACTO (COM OS COMENTADORES ZEZÉ CAMARINHA E JOSÉ CASTELO-BRANCO)


Pergunta: quando uma destas séries é editada em DVD em Portugal, qual dos títulos é escolhido e porquê?
Ou será que são editadas duas versões da mesma série para os otários comprarem duas vezes o mesmo produto?
O meu palpite é que são atribuídos nomes diferentes à mesma série para não acontecer estar a dar a mesma série em dois canais concorrentes em simultâneo. Ou para quem não possuir TVCabo aderir ao serviço porque são transmitidas séries que não estão disponíveis em sinal aberto.
Responda quem souber.

06/04/08

TERMINUS 56: Ó MEU DEUS! II

Bento XVI não confia no poder de Deus. E não é sem razão ao contrário do que se poderia pensar.
Em Portugal, mais concretamente na Guarda, há uma igreja sem sinos há bué da tempo (de vez em quando tenho de escrever a captar público mais jovem) e o Estado, que é o responsável pela manutenção (porquê, perguntam vocês) não há meio de resolver o problema.
Eu sei o que é ter a campainha avariada. É uma chatice. Principalmente se não formos nós a tê-la avariada. Vem a chunguice toda tocar-nos à porta. E isso é mau. Aquela igreja na Guarda ao não ter o sino arranjado, não ouve os fiéis. Estes, sentindo-se ignorados, vão tocar a outra freguesia. É um problema.
E o padre, o bispo e essa malta pediram ajuda. A quem? Ao Papa? Já vimos a reacção dele a ameaças feitas por um tipo de toalha na cabeça. Vão esperando.
Terá sido ao sujeito (com S grande) que criou o Universo e a Terra e isto tudo e mais alguma coisa em seis dias? Àquele que engravidou uma gaja à distância? Àquele que tudo pode, tudo faz e tudo vê?
Qual quê! Pediram mas é às gentinhas da terra. Disse o Carlin há quase dez anos e continua a ser verdade. “He's all powerful, all knowing, all wise. Somehow, just can't handle money!”

TERMINUS 55: Ó MEU DEUS!

Deus, Todo-Poderoso, omnipotente, tudo pode, tudo consegue... Pois sim.
Durante anos vingou essa ladainha relativa à força e invencibilidade de Deus. Até vir o Bin Laden e estragar tudo.
Primeiro que tudo, vou salientar o mais importante: ainda bem que o Bin Laden está vivo! Desde que escrevi aquele artigo a interrogar-me acerca do futuro do terrorismo após a morte do seu representante máximo tenho passado noites a fio a pensar nisso.
É bem verdade que o Bin Laden já voltou há mais tempo e já fez outras ameaças antes destas últimas, mas se ameaçar o Bush é mais do mesmo, ameaçar Deus é outra coisa completamente diferente.
Bin Laden voltou em força. Tipo Stallone aos 60 a fazer um 'Rocky Balboa' e um 'John Rambo'. A diferença é que Bin Laden tem mais de setenta anos em cada perna e foi-se meter com um sujeito com fama de ser mais lixado que birmaneses e boxeurs afro-americanos todos juntos.
Ou assim todos nós pensávamos.
Aparentemente, Deus nada pode contra um gajo de desfibrilado e tolha na cabeça. Arma-se em bom, atira com gafanhotos e tal, mas depois...
Típico dos bullies. São sempre invencíveis. Até chegar um gajo e fazer-lhes frente.
Tudo bem que o Bin Laden não fez propriamente frente a Deus. Fez ao Vaticano. Que é onde mora o representante de Deus na Terra.
Imagino a reacção imediata às ameaças proferidas pelo líder da Alcaeda.
Eminência, o Bin Laden acabou de nos ameaçar. Que fazemos? Rezamos um Pai Nosso?”
Tás parvo? Chama mas é a Guarda do Vaticano.”
Mas eles têm um uniforme ridículo.”
Exacto. Se têm coragem de andar assim público, não hão-de ter medo de mais nada.”
Então e Deus?”
Deus que vá brincar com os gafanhotos e não se meta com a mulher dos outros.”
E pronto. (Esta última frase de Bento XVI foi mal pontuada de propósito; e também não está muito bem contextualizada, mas pronto.)