05/06/10

TERMINUS 93: ANARQUIA ORGANIZADA



Há dias soube duma notícia sobre grupos anarquistas que apelavam na Internet para fazer um protesto organizado contra a Polícia. Fiquei sem saber como reagir. Por um lado, acho que é de louvar os anarquistas saberem utilizar a Internet; mas os fins...

Cada vez mais assiste-se ao declínio de valores que em tempo foram apanágio da nossa Nação. Eu já nem falo dos políticos, ou da justiça ou da economia. Isso está tão mau que mais vale nem pensar. Mas os anarquistas! Os anarquistas eram o meu último reduto de confiança numa classe que não traía os seus valores. Que protestem contra os polícias tudo bem, mas que se organizem para fazer isso é que não.
Um anarquista organizado é como ter alguém que sofre de Alzheimer como testemunha dum crime. Não funciona. Se combinarmos um jantar com anarquistas, não há um que chegue a horas (isto considerando apenas os que forem ao sítio certo). Aquilo é malta que é contra o sistema, contra as regras impostas e, atenção, organizadas. Entende-se que protestem contra a autoridade. Mas façam-no com decência. Combinem todos para as nove da noite e apareçam uns às oito, outros à meia-noite, outros dali a uma semana. Assim, ainda se papava. Mas não.
A concentração estava marcada para o dia 2 de Junho, pelas dez da manhã, em frente ao Campus de Justiça, em Lisboa. É triste. Querem ouvir algo ainda mais triste? Os manifestantes compareceram à hora marcada.
Voltemos atrás para perceber melhor o que se passou. O motivo do protesto – essa é outra, não só se organizam, como fundamentam os seus queixumes – tinha que ver com incidentes decorridos na madrugada de Domingo, dia 30 de Maio, no Bairro Alto, entre cinco jovens e dois polícias. Ao que parece os cinco jovens estavam a causar distúrbios e alguém fez uma queixa anónima. Os polícias chegaram lá e foram recebidos à pedrada. Até aqui nada de anormal. Chegaram os reforços e os cinco delinquentes foram detidos e levados para a esquadra, de onde saíram em liberdade. Também aqui, nada a estranhar.
O que é de lamentar é que a queixa anónima era parte do estratagema para atrair a polícia lá. É um total descrédito numa classe para a qual podíamos olhar e saber com o que é que contávamos.
Supostamente os cinco deviam ter tido uma audiência com um juiz, logo no dia seguinte, só que o juiz não podia ou não quis ou tinha bué de cenas pra fazer e passou para o dia seguinte. Creio que foi este motivou os protestos por parte dos anarquistas.
Esta falta de organização é uma forma descarada de copianço. Provavelmente, o que eles quiseram fazer foi mostrar aos polícias e pessoal do tribunal que, “Sim senhor, vocês podem fazer tudo à balda, mas nós sabemos organizar-nos, se quisermos”. E assim foi. No dia da audiência os anarcas estavam lá a manifestar-se a favor de cinco jovens que se auto-intitulam anarcas. Ainda por cima não temos como provar o que eles dizem. É uma tremenda falta de organização. O que me leva a crer que nem tudo está perdido no reino da anarquia.

1 comentário:

Anónimo disse...

Anarquia é organização!