15/08/10

TERMINUS 140: CENAS DE CASAMENTO

Um amigo meu casou-se há pouco tempo. Convidou-me para ir, eu fui. Casou-se pela igreja. Foi uma cerimónia bonita. A comida estava excelente, não haviam chatos, estava tudo bom.
A única coisa que me irritou foram os pais dele na igreja.
O raio das pessoas não parava de chorar!
O filho estava-se a casar, a noiva era uma boazona que só visto e eles estavam ali duma maneira que mais parecia que estavam num velório. Porquê?
Lembram-se quando nós éramos pequenos e os nossos pais ralhavam connosco? E nós começávamos a chorar? E depois eles diziam
"Tá calado senão levas mesmo qué pra saberes porque é que choras!"
Digo-vos uma coisa, um dia que eu me case e os meus pais comecem a chorar durante a cerimónia, eu juro: páro tudo, vou ao pé deles e dou-lhes um enxerto. Para eles saberem porque é que choram.
Juro que não percebo essa choradeira.
Outra coisa que também não percebo o seguinte. Descobri no mesmo casamento. É uma tradição já antiga, pelos vistos e que é roubarem os bonecos do bolo. Não sei se já ouviram falar disto ou não, mas se ouviram, a minha pergunta é: Porquê?
O que eu acho estranho não é tanto o roubo em si – não deve haver um mercado negro muito grande para bonecos de bolo de casamento – mas quem leva os bonecos, e aqui vem a parte estúpida, tem direito a que os noivos lhe paguem um jantar um ano depois.
Mais estranho ainda, é eles saberem que vão ser roubados e mesmo assim convidarem pessoas para ir lá.
E se alguém roubasse o bolo e deixasse ficar os bonecos? Aí, o noivo já se queixava. Tinham-lhe prometido que seria ele o primeiro a comer o bolo da noiva, não havia de ficar chateado?
Pior, eles roubam os bonecos do bolo e recebem um jantar; e se em vez dos bonecos roubassem mesmo os noivos? O que é que iriam receber passado um ano? Não estou a falar de raptar os noivos, apenas de aproveitar que eles estão distraídos para lhes fanar a carteira. Continuam a ter direito a um jantar ou, uma vez que foram mais ousados, já estão habilitados a um fim de semana de férias?

Sem comentários: