05/01/11

TERMINUS 200: TEMPO DOS MAI PIQUENOS #1


Dois dias depois de vos ter agraciado com uma análise breve sobre o discurso de Ano Novo do senhor Presidente Cavaco, é altura de darmos conta das reacções de vários quadrantes do sector político. A reacção dos principais partidos políticos – PS, PSD, CDS-PP, PCP e Bloco de Esquerda – já foi escutada; todos eles tiveram oportunidade de apresentar as suas apreciações sobre os ditos do senhor Aníbal. Mas... e os partidos pequenos? O que têm o PND, o POUS, o PPM, o MPT, ou o PNR a dizer sobre os avisos de Cavaco Silva? Chegou a altura de saber tudo isso e muito mais numa nova rubrica chamada “Piquenos Analistas”.

PNR – Partido Nacional Restaurador
Antes de mais, dizer que acho uma vergonha, para não dizer palhaçada, que não me deixem ser candidato à Presidência da República só porque ficámos a umas mil e seiscentas assinaturas das que eram precisas. Em relação ao discurso do Presidente da República, é mais uma prova de que este país carece de um rumo, rumo esse que só pode ser estipulado por um partido que defenda os valores de uma sociedade justa e igualitária para todos os portugueses. Uma vez que não somos esse partido, não temos muito mais a dizer sobre o assunto. Ah! Dizer também que não somos contra os estrangeiros. Principalmente aqueles que não vêm para cá.”
José Lebre Salpico

MPT – Movimento Partido de Todos
O senhor Presidente da República diz-se Presidente de todos os portugueses, mas não esconde a sua simpatia pelos quadrantes políticos mais à direita. Assim não pode ser. Já não bastava cada candidato presidencial ser apoiado pelo seu partido ou por vários ou por nenhum?
Acreditamos que todas as pessoas têm direito ao seu partido, mas que nem todos os partidos têm direito às suas pessoas. A pluralidade de partidos é sintoma de uma sociedade fragmentada. Somos pela unidade, pela coesão e pelo empenho num caminho certo e definido."
Pedro Chalaça Quintin

PH – Partido Hidrogeniónico
A que epiderme aspiramos? Sentimos a secura e a acidez de uma sociedade pouco dedicada à resolução dos problemas que todos os dias afligem as peles delicadas. Somos pela hidratação, pela frescura e pela suavidade de uma epiderme saudável. Buscamos combater esses grandes males cutâneos que são a psoríase e a hidrosadenite supurativa. Acreditamos numa sociedade em que as pessoas não mais sejam distinguidas pela sua pigmentação, e sim pelo seu ph.
Lamentamos com grande pesar que, apesar da gravidade deste problema, o senhor Presidente da República tenha dedicado o seu discurso a falar dos desempregados e dos pobres e não tenha feito uma nota, ainda que breve, ao aumento do IVA nos cremes hidratantes. Enfim, prioridades.”
LF de la Paz

Por agora é tudo. Para a próxima à mais. E sim, a frase anterior tem um erro. Mas não vou dizer qual é.

Sem comentários: