14/01/11

TERMINUS 205: VÃO-SE QUOTIZAR TODOS

Olá, meus bezerrinhos. O diminutivo não é por serem fofinhos e queridos, é por ainda não estarem prontos para o abate. No artigo de hoje vou falar de um tema que vai fazer as delícias de todos aqueles envolvidos em fraudes e outros delitos desse calibre. E o grande tema é: sociedade por quotas. Calma! Não comecem já a dar pulos de contentamento. Se estiverem em local público, força; sempre é um espectáculo bonito de se ver. Se estiverem em casa, façam favor de se comportarem como os adultos que gostariam de ser.
Foi preciso esperar um bocado, mas em boa hora o Governo decidiu acabar com o capital social mínimo de 5000 euros para constituir empresas. A partir de agora quem quiser formar uma empresa, pode fazê-lo com mais facilidade e com muito menos dinheiro, nem que seja só com euro.
Esta medida faz parte do nosso já grande amigalhaço Simplex, e tem por objectivo “contribuir para reduzir os custos de contexto” e “promover o empreendedorismo”. Quem sabe o que isto significa, deixe-se estar caladinho e não interrompa enquanto eu explico aos que não sabem.


CONTRIBUIR PARA REDUZIR OS CUSTOS DE CONTEXTO
Exemplo: O senhor Calapito abre um consultório de Oftalmologia na zona do país com mais cegos por metro quadrado. Como tem de mandar vir clientes de fora, essa despesa reduz substancialmente a sua margem de lucro. De modo a compensar esse gasto, o Governo deixa o senhor Calapito meter mais algum ao bolso.


PROMOVER O EMPREENDEDORISMO
Exemplo: O senhor Calapito abre um consultório de Oftalmologia na zona do país com mais cegos por metro quadrado. Por ser uma ideia arrojada, embora de difícil aplicação neste cenário, o senhor Calapito gasta mais dinheiro do que gostaria. Para compensar esse gasto, o Governo deixa o senhor Calapito meter mais algum ao bolso.


Para um leigo na matéria, compreendo que possa parecer que existe uma ideia comum a estes dois pontos. Asseguro-vos que o facto de ambos os senhores nestes dois exemplos terem o mesmo nome, e de ambos terem tido a bela ideia de abrir consultórios de Oftalmologia em zonas pouco adequadas para isso, trata-se de uma simples coincidência.
A ideia principal a reter é a possibilidade de “fomentar que boas ideias se transformem em negócios com facilidade. Um bom exemplo, de acordo com a Secretária de Estado da Modernização Administrativa, é a criação de empresas de serviços informáticos na Internet. Antigamente estes empresários precisavam de um capital social mínimo de 5000 euros; o que os obrigava a perder muito tempo a quebrar firewalls, roubar passwords, entrar em contas bancárias, fazer transferências de 1 ou 2 cêntimos para contas off-shore. Até conseguirem chegar aos 5000 euros, estão a ver a maçada que não era. Agora só precisam de furtar 1 ou 2 euros. Não me admiro se alguns deles, com mais vontade de gastar do que o normal, for capaz de se chegar à frente com esse guito todo.

Sem comentários: