21/06/11

TERMINUS 257: CENAS DE CAFÉ

Uma coisa engraçada sobre as gorjetas é o facto de as únicas pessoas que têm direito a ela serem aquelas que nos servem café ou as que nos carregam as malas. Existem muitas profissões que deviam ter direito a receber gorjeta, mas, por razões desconhecidas, não é isso que acontece.
Se estivermos num hospital, algures entre a vida e a morte, à espera duma transfusão quase impossível de obter porque o nosso tipo de sangue só existe numa em cada dez pessoas, nós não damos uma gorjeta se o médico nos salvar a vida; nem tão pouco agradecemos ao tipo que nos deu o sangue dele. Essa pessoa é-nos completamente desconhecida mas, mesmo que fosse conhecida, não teria mais importância que um empregado de mesa ou um taxista.
Dito isto, já repararam na cara dos empregados quando vamos pagar o café e só temos uma nota de 50 euros? Um café custa em média 55 cêntimos. E nós só temos 50 euros. E depois? Qual é o problema?
Eu acho que não é nenhum. Mas para eles não. Eles ficam sempre a olhar com uma cara que até parece que estamos a fazer alguma coisa de mal. Nós estamos a pagar! É isso que estamos a fazer! A pagar! Isso é errado? Há pessoas que pedem desculpa! Quando vão para pagar o café e não têm dinheiro certo, quase que se ajoelham.
Peço imensa desculpa. Só tenho esta nota. Não posso gastar mais que este dinheiro. Por favor, perdoe-me. É só hoje. Não volta a acontecer. Prometo. Por favor, não me flagele.”
O que é isto?! Por acaso, pensam que estão a tirar dinheiro? Não estão! O dinheiro do troco é vosso! Vosso! Não é deles!
Outra situação que também acontece quando pedimos um café é a seguinte. Vamos supor que o café custa 50 cêntimos, só para o exemplo funcionar. O café vem, eu bebo o café, tranquilo da vida. Acabo de beber o café, tiro uma moeda de 50 cêntimos do bolso e coloco-a em cima do balcão.
O que é que o empregado diz?
É pra pagar o café?”
O que é que eu respondo?
Não. 'Tou só a pôr a moeda em contacto com o ar. É pra ver se ela cresce. 'Tou à espera que se transforme numa nota de 50 euros.
Depois abano a moeda.
'Tá quase. Já faltou mais.”
Há outros, mais inteligentes, que ainda perguntam:
É só pra pagar o café?”
Eu não sei o que é que se passa lá nos bastidores, mas eu quando vou a algum estabelecimento comercial e dou dinheiro certo para pagar um produto, é porque não quero pagar mais nada além disso.

Sem comentários: